Caminhada no vale de Valicova e Serra Galega

Organização:  Obeta - Paulo Mazzetti

Data:  2 de Dezembro de 2007

Local:Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros

Relatório:

 


Caros amigos,


Depois de uma tentativa de realização deste passeio há uns meses atrás, a qual falhou devido á ocorrência de um temporal, desta vez tudo correu bem pois fomos beneficiados por um tempo excelente, o que tornou esta caminhada na Serra D’Aires e Candeeiros muito fácil e agradável.

Alinharam nesta aventura três grupos de origem distinta: pessoal da OBETA,a entidade organizadora deste passeio,a malta do clube Rituais, sempre voluntariosa e bem disposta e finalmente um grupo de amigos, que tomaram conhecimento desta iniciativa a partir da minha pessoa. No total perfazíamos 21 pessoas!
Um verdadeiro record!

Após o encontro de todos os participantes em Porto de Mós, deslocámo-nos de carro até ao local onde começava o passeio, o que não foi fácil, pois o mesmo não estava devidamente assinalado na estrada.
Mas lá demos com o local, perto de um parque de estacionamento, na estrada que liga Porto de Mós a Alqueidão da Serra.

Começámos por percorrer um trilho que atravessava uma bonita zona florestal no vale de Valicova. Este trilho desembocou numa pequena estrada e alcatrão que percorremos, sempre com o vale de Valicova à nossa esquerda.

Depois de tomarmos um desvio á nossa direita, iniciamos então uma ascensão que nos levou à povoação de Casais dos Vales, um pequena aldeia meio abandonada, muito bonita mas não muito típica, onde fizemos uma breve paragem para reagrupamento.


Á saída da aldeia tomamos um caminho que nos levaria à Serra galega, o ponto mais alto neste passeio. O trilho era de terra mas cheio de pedregulhos que dificultavam a ascensão. Há medida que íamos subindo a fome começava a apertar entre as hostes. Assim, resolvemos parar a meio da subida para realizar o almoço.
Abriram-se as mochilas e comeu-se o que se levava; umas sandochas, panadinhos e frutas diversas. E bebeu-se qualquer coisa, claro!

A seguir á refeição retomou-se a subida até ao topo da Serra, onde tivemos então a oportunidade de contemplar um panorama fabuloso sobre todo o maciço calcário que constitui a região.

Após a fotografia da praxe junto ao marco geodésico no cimo da serra Galega, a 423 metros de altura – o ponto mais alto deste passeio - iniciámos a descida em direcção ao ponto de partida, o vale de Valicova, sempre com Porto de Mós à vista, e uma paisagem extremamente bonita e vasta para onde quer que virássemos o olhar.

Na parte final do passeio tivemos a oportunidade de visitar um poço antiquíssimo, situado num meio de um bonito bosque de carvalhos. A estrutura apresenta uma curiosa construção, ostentando uma escada de acesso até ao nível da água.
A sua construção perde-se no tempo e as populações do local dizem que nunca secou.


A poucas centenas de metros do parque de estacionamento onde de manhã tínhamos deixado os automóveis, em pleno vale de Valicova, visitamos também umas grutas de formação natural, com aberturas e profundidades variáveis, a que chamam localmente lapas.


De seguida fomos para uma aldeia chamada Livramento, onde abancámos numa tasca típica para petiscar várias iguarias da região. Os petiscos, que incluíam queijos e enchidos diversos, eram extremamente saborosos e, acompanhados de um tintol ou de umas cervejolas, souberam maravilhosamente.

E desta forma terminou este evento que se revelou um sucesso, tendo sido do agrado de todos os participantes.

 

Saudações radicais

         António Campos

 

 

 

(Textos de António Campos adaptado e comentado por Paulo Mazzetti)