BTT: Ciclovia de Évora - Percurso entre Graça do Divor e Arraiolos


Data do evento:   Domingo, 16 Maio 2010

Passeio Local onde se desenrolou:
Alentejo: Antiga linha de caminho de Ferro, entre Évora e Vale Paio, actualmente convertida para Ciclovia

Organização:  Obeta

Grau de dificuldade:   Fácil

Tipo de Percurso:   Linear, feito em ambos os sentidos, com começo em Graça do Divor e chegada a Vale de Paio e regresso

Distância:   18 km para cada lado. Total de 36 km.
A esta distancia deve acrescentar-se mais 5,6 km caso se pretenda visitar a barragem do Divor (2,8 km para cada lado)

Duração:   4 a 5 horas em ritmo de passeio

Locais de interesse:
O campo Alentejano que nesta altura do ano (Primavera) se encontra bastante florido, a barragem de Graça do Divor, a bonita vila de Arraiolos

Descrição:
Há alguns anos a Obeta fez a 1ª parte da Ciclovia de Évora, ligando esta cidade a Graça do Divor. Agora quisemos lá voltar para realizar a 2ª parte do percurso; de Graça do Divor a Arraiolos.
Houve muitos interessados em participar neste passeio já que o mesmo, pelas suas características (realizado sobre uma ciclovia que foi em tempos idos uma linha de caminho-de-ferro), era bastante ciclável e acessível a qualquer praticante.
O local combinado para o encontro foi junto ao edifício da antiga estação ferroviária de Graça do Divor. E tal como planeado, os participantes começaram a chegar por volta das 10.30 h da manhã.
Passeio
O tempo não podia ser mais propício para um passeio deste tipo; um céu azul lindíssimo e sem nuvens e uma temperatura amena, pelo menos da parte da manhã.
Após os cumprimentos iniciais e a realização das habituais afinações nas máquinas, lá montamos as biclas e partimos em direcção a Arraiolos. O campo alentejano ainda verdinho e atapetado de flores silvestres de múltiplas cores era um espectáculo digno de se ver!

A meio do caminho tivemos infelizmente uma desistência; um dos pedais da bicicleta da Olga desprendeu-se do eixo e ela foi obrigada a desistir. O Jacinto acompanhou-a no regresso á viatura que ficou estacionada em Graça do Divor e nós prosseguimos o passeio para Arraiolos, Passeio em ritmo mais lento, para dar tempo ao Jacinto de nos apanhar de novo após regressar de Graça do Divor.

Á chegada a Arraiolos parámos para tomar uma refeição ligeira com aquilo que levávamos nas mochilas. Entretanto o Jacinto voltou a juntar-se a nós.
Como o dia estava realmente bom, o caminho era fácil de se fazer e o pessoal ainda estava relativamente fresco - já que a distancia percorrida não tinha sido muita - decidimos continuar um pouco mais para a frente, pelo menos até chegar à estação seguinte; vale do Paio.
Passeio
E assim fizemos! Terminada a refeição montamos de novo nas bicicletas e prosseguimos o caminho.
E valeu realmente a pena ter feito este prolongamento já que tivemos a oportunidade de cruzar um pouco mais adiante a ribeira do Divor, num local de grande beleza, onde a ribeira forma uma pequena cascata sobre uma lagoa de reduzidas dimensões, emoldurada por alguns maciços blocos de granito.
Passeio
Chegados à antiga estação de vale de Paio, paramos para tirar mais algumas fotos e resolvemos não prosseguir mais para a frente porque a partir daquele ponto o caminho se degradava bastante. Também tínhamos conhecimento que mais adiante iríamos encontrar algumas barreiras ali colocadas abusivamente por alguns proprietários de terrenos contíguos ao caminho da ciclovia

O regresso processou-se igualmente sem problemas mas a um ritmo mais lento, já que o esforço acumulado se começou a fazer notar no cansaço revelado, especialmente entre alguns participantes menos habituados a estas lides...
Mas há que reconhecer que o facto deste regresso se ter realizado nas horas de maior calor, entre as 14 e as 16.00, também contribuiu sem duvida para dificultar a progressão
Após uma breve paragem para descanso, de novo na estação de Arraiolos, retomámos então a marcha, só tendo parado na estação de Graça do Divor, o ponto inicial e final deste périplo.
O jacinto que entretanto tinha acelerado o ritmo para se voltar a reunir à Olga já tinha chegado há muito tempo e cansados de esperar, tinham entretanto partido. Passeio

Nós pelo nosso lado, após termos calmamente arrumado as bicicletas de novo nos veículos, ainda rumamos a Arraiolos para recuperar as forças com um bom e merecido petisco num restaurante local, fazendo assim justiça às melhores tradições boémias do nosso grupo!
Foi sem dúvida um excelente passeio em que quase todos os participantes se puderam divertir e constituiu uma boa forma de passar um Domingo num Alentejo Primaveril, ainda bastante verdejante e florido.

Mais informação nos links seguintes:




Todas as fotos publicadas no Picassa.