Caminhada na serra de Montejunto;
Trilho da Penha do meio dia


Caminhada em Montejunto Data do evento:   Domingo, 10 de Abril de 2011

Organização:  Obeta

Tipo de Evento:  Caminhada

Local onde se desenrolou:
Serra de Montejunto

Grau de dificuldade:  Fácil

Tipo de Percurso:
Circular, com começo e fim no Parque de Merendas, junto à Real Fabrica de Gelo

Distância:  7 km aproximadamente

Duração:  3 horas

Locais de interesse:
Vista panorâmica que se pode observar do cimo da serra sobre toda a região Oeste de Lisboa e nos picos adjacentes do Moinho do Moloiço e Moinho do Céu, as instalações da antiga fábrica de gelo, o parque de merendas, as ruínas do antigo convento dominicano.

Descrição:
O percurso que nos propusemos fazer neste dia é um pequeno trilho que se desenvolve a sudoeste da aldeia de Pragança, a qual fica situada no sopé da serra de Montejunto.
O caminho é circular e começa e termina no parque de merendas situada ao pé das instalações da antiga fábrica de gelo.
Se inicialmente as placas indicativas são abundantes, rapidamente se percebe que as mesmas vão escasseando, há medida que nos vamos embrenhando na serra. De tal modo que, a partir do 2 ou 3 quilómetro deixa-se mesmo de descortinar qualquer marca do trilho.
Caminhada em Montejunto
A partir daqui só quem tenha um bom mapa e uma bússola, ou em alternativa um aparelho GPS, conseguirá fazer o resto do caminho sem se perder.
Não foi infelizmente o nosso caso, já que por diversas vezes nos enganámos no itinerário acabando por fazer um percurso que não era bem o previsto inicialmente.
Este passeio revela-se assim, infelizmente, como mais um caso paradigmático de falta de manutenção das nossas zonas protegidas.

Aliás em conversa posterior que tivemos com um responsável do centro de interpretação, situado ao pé do parque de merendas, foi-nos indicado que inicialmente tinham sido colocados no terreno um conjunto de placas indicativas sinalizando diversos caminhos pedestres possíveis de realizar na serra. Mas que no entanto, devido a roubos continuados, actos de vandalismo e falta de manutenção regular (por insuficiência de verbas), a maior parte daquelas placas já tinha entretanto desaparecido.
Enfim, é o pais que temos! E é pena porque a zona tem muito potencial ao nível do ecoturismo e a serra, a mais alta da Estremadura, não fica longe da cidade de Lisboa.

Vejam mais informação nos links seguintes:



Todas as fotos publicadas no Picassa.