Juntos no Monte...

Relatório de Actividades:

Uma dúzia de mamíferos (11 humanos e um cão, desculpem, cadela), cansados da inactividade que estes tempos invernais de algum modo trazem, entusiasmaram-se com a previsão de um dia soalheiro, coisa há muito não vista nem sentida, e ... ala com eles para o Montejunto.

Montejunto

A horas aceitáveis, iniciaram a pedestre actividade sob um céu azul, um sol brilhante.... e, no topo, um vento frio que açoitava nas partes altas e enregelava as partes baixas.

Ora subindo (ai, que falta d'ar), ora descendo (uí, os meus joelhos), e voltando a subir (arre, qu'esta custa), dando costas ao norte, chegámos, enfim, à Fábrica do Gelo, encerrada para almoço ou, segundo papelete escarrapachado no portão, à espera que algum interessado se deslocasse, não se sabia bem onde por não visível do local (e longe, constatámos depois), para pagar o eurito e convocar sua excelência o guia a facultar a entrada, um excelente exemplo do que se deve fazer para não ganhar dinheiro ou, se quiserem, a «case study» de ineficiência, amadorismo, desinteresse, desconsideração pelo pagantibus... é melhor ficar por aqui.

Montejunto

Continuou-se a subir, e depois a descer, e depois a subir, e por fim, já sol cadente,com a planura sul a nossos pés, aquela que seria a última descida até ao caminho que circunda uma parte do monte (que crédulos somos), no fim do qual esperavam, impacientes, os "burros"...


Após separação e um «até à próxima», um pequeno grupo achou por bem, atendendo ao adiantado da hora, picar qualquer coisa aceitável, mas, para desprazer dos seus elementos, apesar de bem tentarem, deram sempre com o nariz nas portas... e jantou-se em casa, que até fica mais barato.

 

João M. (Fevereiro.2012)